Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
PORTOS

Ministério simplifica operações envolvendo passageiros e tripulantes de embarcações

  • Publicado: Terça, 20 de Agosto de 2019, 17h22
  • Última atualização em Segunda, 26 de Agosto de 2019, 16h22

Entre as melhorias proporcionadas pela plataforma está a possibilidade de anexar documentos digitalizados, facilitando o serviço dos anuentes e evitando os deslocamentos dos agentes de navegação. 

O sistema Porto Sem Papel apresenta resultados positivos na modernização dos Portos do Brasil desde a sua implantação, em 2011, com reflexos na redução de custos e do tempo de prestação dos serviços. A programação de melhorias no sistema faz parte do Programa de Transformação Digital do Ministério da Infraestrutura. 

A novidade, entregue recentemente, refere-se à simplificação das operações que envolvem tripulantes e passageiros das embarcações. Segundo o analista de TI da Coordenação Geral de Gestão Portuária da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários – SNPTA, Ricardo Strauss, com a implantação das recentes melhorias no Porto Sem Papel, houve uma grande diminuição no tempo de análise das informações em questão inseridas pelos agentes de navegação. 

“Entre as principais melhorias, destacamos a possibilidade de realizar uploads das listas de passageiros e tripulantes através de arquivos no formato CSV (gerado em planilhas eletrônicas), dispensando a inserção manual dos dados, além da possibilidade de anexar documentos digitalizados, facilitando o serviço dos anuentes e evitando os deslocamentos dos agentes de navegação”, explicou Strauss. 

De acordo com o analista, para uma embarcação de carga de porte grande, com 160 tripulantes, estima-se que o tempo de inserção de informações sobre tripulantes e passageiros pode diminuir em torno de 75%. “Para navios de cruzeiro, com 1.300 tripulantes e 7.500 passageiros, o tempo de inserção dessas informações pode diminuir em 99%. Nesse sentido, o tempo médio desse serviço, para embarcações em geral, tende a cair pela metade”, completou. 

Strauss explica ainda que houve considerável diminuição de horas de trabalho para os agentes de navegação e anuentes. “Considerando um universo de 40 mil estadias por ano, estimamos uma economia de 30 mil horas de trabalho/ano para os agentes e 5 mil horas de trabalho/ano para os anuentes. Isso, consequentemente, diminui o tempo de duração dos serviços para os usuários”, explicou o analista. 

PORTO SEM PAPEL – Com o objetivo de promover a desburocratização dos procedimentos de estadia dos navios nos portos brasileiros, em 2011 a SNP implantou o sistema Porto sem Papel (PSP) nos portos de Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES). Dois anos depois, o projeto já alcançava 35 portos públicos em todo o Brasil, e hoje atinge também 83 portos privados. 

Anteriormente, a metodologia para solicitar as anuências de atracação, operação e desatracação era realizada de forma manual. O processo incluía mais de 2.000 itens de informação, em 112 formulários em papel. O PSP unificou todos os dados em uma única base, originando o Documento Único Virtual (DUV), com 935 campos, que são inseridos de uma vez só e distribuídos a todos os envolvidos no processo. 

Assessoria Especial de Comunicação
Ministério da Infraestrutura 

Notícias Relacionadas


Fim do conteúdo da página